Como foi a apresentação do espetáculo "Encantadora Anhui, Deslumbrante China".

Como foi a apresentação do espetáculo "Encantadora Anhui, Deslumbrante China".

        O espetáculo “Charmosa Anhui, Deslumbrante China”, montado pela Trupe Artística da Universidade de Anhui, foi realizado na noite do último sábado e lotou o teatro do CIEE em Porto Alegre. 

        O evento fez parte do Confucius Institute Performance Tour 2015, que através de apresentações artísticas, tem como objetivo promover o intercâmbio cultural e o contato com a cultura chinesa no mundo inteiro. O tour é promovido anualmente pela Matriz dos Institutos Confúcio, localizada em Pequim, e veio à América do Sul este ano pela primeira vez, com grande sucesso. Além da exibição na capital gaúcha, que encerrou a turnê, o grupo também se apresentou em Santiago, no Chile, e em Brasília.

            A Trupe Artística da Universidade de Anhui foi fundada em 1982, e está localizada na cidade de Hefei, na Província de Anhui, na China, onde está a sede da Universidade. A Trupe Artística é formada por selecionados professores e alunos da Faculdade de Artes da Universidade, e apresenta espetáculos que mesclam a rica cultura local da Província de Anhui com a tradicional cultura milenar chinesa.

            E o espetáculo “Charmosa Anhui, Deslumbrante China”, realizado no último sábado, fez exatamente isso, inserindo elementos típicos da cultura da Província de Anhui no vasto conjunto cultural chinês. O show foi composto por treze diferentes exibições de diversas formas de arte tradicionais chinesas, contemplando assim o público com uma ampla amostra cultural desta região e deste país.

            A primeira exibição foi Meninas do Recorte de Papel, e apresentou um pouco da tradição do Corte de Papel na China. O Corte de Papel chinês é uma das artes manuais chinesas mais antigas e mais populares, pois data desde a criação do papel, em território chinês. Em festivais ou ocasiões comemorativas, as pessoas colam os recortes nas janelas, decorando-as, para rezar pela paz e pedir boa sorte.

            A segunda exibição foi O Clássico das Montanhas e dos Mare, e misturou duas formas de arte muito características da China, o Kung Fu e a Caligrafia. Kung Fu e Caligrafia são verdadeiros tesouros da cultura chinesa, expressando o conceito tradicional chinês de harmonia entre homem e natureza.

            A terceira exibição foi a apresentação da canção Você e Eu. A música, que foi tema das Olimpíadas de Pequim, prega a ideologia humanitária, e louva o respeito, a paz e a harmonia entre as pessoas.

            A quarta exibição foi a apresentação da Ópera Ode à Flor do Pessegueiro, que trouxe uma belíssima demonstração da tradicionalíssima Ópera de Pequim. A Ópera de Pequim, como uma das cinco óperas tradicionais, representa a própria essência chinesa. “Ode à Flor do Pessegueiro" é a canção tema da versão moderna de "A Concubina Imperial na Dinastia Tang”, e também uma obra-prima fundamental da escola Mei Lanfang (escola do sul) da Ópera de Pequim.

            A quinta apresentação foi Adorável Leque Vermelho, e revelou um pouco do festivo Tambor e Lanterna. Tambor e Lanterna é uma dança popular com uma longa história. Apelidado de "Balé do Oriente" pelo Primeiro-ministro Zhou Enlai e listada entre as heranças nacionais e culturais intangíveis, o festivo Tambor e Lanterna representa tipicamente a dança folclórica da nacionalidade Han, com alegria e paixão, humor e sagacidade, com movimentos requintados apresentando um estilo único de espetáculo.

            A sexta exibição apresentou um conjunto de música instrumental típicamente chinês, que apresentou duas músicas muito tradicionais deste país, A Grande Alegria e Jasmine. A Grande Alegria é uma canção folclórica famosa com ritmo alegre e contagiante. É dito pelos chineses que onde há pessoas chinesas, há A Grande Alegria. Outra canção folclórica popular é Jasmine, que é considerada por muitos o segundo hino nacional chinês. As regiões norte e sul da China possuem versões diferentes dessa canção, mas a apresentação de sábado integrou as duas, proporcionando assim uma experiência única ao público presente.

            A sétima apresentação combinou o conjunto de música instrumental com a dança típica Fuga. Fazendo parte da nacionalidade Han durante a Dinastia Tang, Fuga é uma dança famosa de uma das concubinas agraciadas pelo favor imperial no início da Dinastia Tang. Entretanto, tornou-se uma arte perdida ao longo do tempo. Fuga tem como característica principal a mão livre nos trabalhos com pincéis na técnica de pintura tradicional chinesa, e usa a dança também para mostrar a beleza dos cisnes voando no céu.

                A oitava exibição trouxe outra apresentação de Ópera, desta vez originária da Província de Anhui, a Ópera Huangmei. Também chamada de Melodia Huangmei, ou Drama da Colheita do Chá, é um tipo de canto folclórico bastante famoso no país inteiro. É rica em sentimento, elegância e beleza, e também é uma das cinco principais óperas chinesas.

                A nona apresentação exibiu uma nova demonstração de Kung Fu. Cristalização da sabedoria nacional e reflexão da cultura tradicional de nacionalidade Han, o Kung Fu é único no mundo da cultura marcial. É uma herança de grande valor cultural cultivado ao longo do tempo pelo povo chinês de nacionalidade Han, valorizando a dureza com delicadeza, e contendo a compreensão do sábio sobre a vida e o universo.

                A décima exibição apresentou uma nova canção, Só Você Diante dos Meus Olhos. Esta é uma música clássica espanhola em louvor ao amor que foi convertida em vários idiomas, e a versão chinesa é muito conhecida no país.

                A décima primeira apresentação foi um belíssimo solo de flauta, A Canção dos Pastores. A Canção dos Pastores é uma clássica canção folclórica da Mongolia e famosa por ser tocada com flautas de bambu, um instrumento musical típico chinês. A música descreve a vasta e ampla pradaria e a gratificação da cena vibrante do rancho através de estilo de música revigorante, melodia comovente e ritmo animado.

                A décima segunda exibição foi uma seleção de Canções Folclóricas Tradicionais Chinesas, Deslumbrante China. A China é o berço de nascimento de uma civilização de cinco mil anos e a terra de um grande tesouro cultural oriental. Foram apresentadas canções folclóricas proclamando a grandiosidade chinesa e o charme local.

                E a décima terceira e última exibição apresentou Er Hu e a apresentação Transformando-se em Você Quando Eu Crescer. A canção conta a história de um estudante que foi profundamente influenciado pelo seu professor, e depois de adulto se tornou um professor respeitado. Esta história incorpora a filosofia confucionista de respeitar os professores e enfatiza a educação.

                O espetáculo alcançou grande sucesso com o público, que aplaudiu de pé ao fim da apresentação. Os artistas chineses ainda se disponibilizaram a receber os espectadores no palco para fotos e recordações. Além de um grande show de entretenimento, o público presente teve uma oportunidade rara de entrar em contato com diversas formas de arte diferentes da vasta cultura chinesa. O Instituto Confúcio na UFRGS agradece a todos que prestigiaram o espetáculo, e espera a presença de todos em seus próximos eventos.